5 Different Voices Behind the War in Ukraine


Ukraine

No one was indifferent to the start of this war on February 24, 2022. No one ever imagined that we could witness this in modern times. A war in the center of Europe... in the 21st century.


I'm not Ukrainian, but I'm human. And no human deserves to go through atrocities like the ones we've witnessed in the last few days. I could say that, not being Ukrainian, I have no idea what it's like to have someone you care about in a country at war. The suffocation that this represents. This was true until the 24th of February.


And yes, knowing that I have had someone there that I care about has made me follow this war much more closely. That and, of course, my journalistic curiosity. Since that day, I've gone to bed very late listening to all the news and debates on the subject, that I don't go to bed without checking all the news on my phone, something that is repeated very early in the morning... in a constant shock.


That's why I can understand at least a little bit of what two Ukrainian women with whom I spoke for this article go through daily. Both live in England, and with their hearts in their hands because they have their family in different cities in Ukraine.


I have to confess that before this war I knew very little about Ukraine... very, very little. And I was more and more surprised both by its beauty and by its culture. Not to mention the strength and endurance of its people. And after talking to people who were born there, a whole new world came to me. Having the opportunity to better understand what happened in Ukraine in the distant and more recent past... made me realize how fragile the world situation is, all because World War II didn't happen almost 100 years ago, it was something that happened just around the corner, and it can be repeated very easily.


So, in addition to the testimonies of the two Ukrainians with whom I spoke and whom I thank for all their attention, I also have the testimony of a friend from Romania (whom I really love), who from the first minute was helping in a support center for refugees in Brasov. She then put me in touch with two other people who are part of that same volunteer centre: a Kurdish volunteer and the centre's coordinator.

 

Ninguém ficou indiferente ao início desta guerra a 24 de fevereiro de 2022. Ninguém, em pleno século XXI, poderia sequer ‘sonhar’ que iria assistir a um cenário de horror no centro da Europa…


Eu não sou ucraniana, mas sou humana. E nenhum ser humano merece passar por atrocidades como aquelas que temos assistido nos últimos dias. Eu poderia dizer que, não sendo ucraniana, não fazia a mínima ideia do que é passar pelo terror de ter alguém de quem gostamos num país em guerra. O sufoco que isso representa. Isso era verdade até ao dia 24 de fevereiro.


E sim, não é só o simples facto de ter alguém por lá com quem me preocupo, mas todo o contexto de horror, tem feito com que acompanhe quase ao minuto esta guerra de uma forma atenta… A somar à minha curiosidade jornalística, como é óbvio. Desde aquele dia que me deito tardíssimo a ouvir todas as notícias e debates sobre o assunto, que não vou para a cama sem verificar todas as notícias no meu telemóvel, algo que se repete de manhã bem cedo... num sobressalto constante.


Daí que consiga entender pelo menos um bocadinho daquilo por que passam diariamente duas ucranianas com quem falei para este artigo. Ambas a viverem em Inglaterra, e com os corações nas mãos porque têm a sua família em diferentes cidades da Ucrânia.


Tenho de confessar que antes desta guerra sabia muito pouco sobre a Ucrânia... muito, muito pouco. E fui sendo mais e mais surpreendida quer pela sua beleza, quer pela sua cultura. Para não falar na força e resistência do seu povo. E depois de falar com pessoas que nasceram lá, todo um mundo novo veio até mim. Ter a oportunidade de perceber melhor o que se passou na Ucrânia num passado distante e mais recente... fez-me perceber o quão frágil é a situação do mundo, tudo porque a II Guerra Mundial não aconteceu há quase 100 anos atrás, foi algo que aconteceu já ali ao virar da esquina, e pode repetir-se muto facilmente.


Portanto, para além dos testemunhos das duas ucranianas com quem falei e a quem agradeço toda a atenção, tenho também o testemunho de uma amiga da Roménia (de quem gosto muito), que desde o primeiro minuto esteve a ajudar num centro de apoio a refugiados em Brasov. Ela, depois, pôs-me em contacto com duas outras pessoas que fazem parte desse mesmo centro de voluntariado: uma voluntária curda e o coordenador do centro.


ukraine lviv
Lviv

DANIELA

“My parents are in Lviv, Ukraine. This is where I was born and it’s where my parents, uncle and cousins live. I do have some distant relatives in other cities in the centre of Ukraine. I do not have (thank God) any of them in the occupied areas.


I left Ukraine in 2006, but on the middle of that time, when the 2014 war happened, I came back for 2 years. I was there when it happened and I do remember the sirens being tested. I was working at the bank. The annexation of Crimea in 2014/15 I have witnessed myself and then I came back to the UK.


My uncle ran away from Crimea in 2014. He’s left only with his passport, laptop, and a pair of jeans. He was living there with his girlfriend who turned nasty on him for not talking Russian and she took away his flat. For him being from Lviv was difficult, cause Crimea is very anti-Lviv, so it was very dangerous for him.


LIFE BEFORE WAR? I had quite a stressful anxious month before war, due to all sort of different things, and I do suffer with anxiety and burnouts due to circumstances in my work and life, I was not in the best of days. So I was not in a strong position where I could put myself together. I’m kind slightly better now, but I lost 5 Kg in weight. In the first couple of weeks I had such stress that thought I was having a stroke… At some point my right eye couldn’t see properly (I think it was from the blood pressure… at some point even my right leg, I couldn’t feel it and I think it was all from stress). I was trying to calm myself down because I felt that my mental health was really affecting my physical health and I got scared. At the moment I’m still very stressed, I’ve hardly slept, since the 24st of February. I don’t fall asleep calmly, I kind of pass out (cause I’m so tired) and 20 minutes later I can wake up in a panic attack just checking my phone. I know a lot of people tell me not to do that all the time…but it’s hard not to, cause I know that my parents can be in danger. And having my parents in danger it’s the scariest thing ever.


I speak to my parents everyday, a few times a day, I’ve made my mom text me when she wakes up for saying that they are safe.


We all read Ukranian news, they are not more truthful, but much more detailed and straightforward. Western news they are a little bit late. I know all Facebook groups and channels so that I know when airstrikes sirens are on and off, and things like that. I have to constantly open the news and refresh the websites all the time.


HAVE THE LIFE CHANGED IN LVIV? Even though we are far from the frontline, we do have a lot of refugees in my city (don’t know exactly how many, around 200 thousands) and they are everywhere, so obviously there’s a lot of extra people in the city. Also, my mom’s a teacher and she works in the nearby school where I used to study and all the teachers they have kind of a ‘rota’ because we have refugees at school (children’s are back to school for the past 3 weeks from distant learning from home). And the children who live in the schools – because all our schools in the city are receiving refugees. And my mom has to work as a volunteer, all the teachers are, and they are in charge of the school for like a half a day (making sure that everything works smoothly, helping with contacts, and online classes). The food is also provided by volunteers, by the parents of the school and whoever have businesses that can provide food. The canteen also works for the same. That’s how life is for my mom, a bit different.


My uncle who ran away from Crimea lives in the flat where my grandmother once lived, because he was once a refugee he feels all the pain so he went to some school or college nearby and he invited people living there and he said ‘I can share my flat with you’. So, he invited a couple in their late forties and a 70 year old father and his sausage dog.


The life is obviously different, cause the government asked to please go back to work, because the most important thing is to keep the country going, we cannot stop, we need to have jobs, we need to pay our taxes, the economy of the country needs to keep on going, so it doesn’t collapse. But it’s not easy… Some nights everything is ok, but sometimes there are the sirens… and we have no shelter (not everybody has a shelter. So you just sleep in your flat hoping for the best. And people sleep like what… 2 hours per night, 3 hours…? And they must go back to work.


I used to work in the bank in Lviv and I spoke to my ex-colleague – she said they half a long working, they are quite busy because all of the people were relocated, they left really quickly, a lot of them don’t have cards, so they have to open bank accounts or getting extra cards, so there’s a lot of admin work going on. A lot of queues in the bank…

A lot of Cafés are working too and helping refugees – some gave their kitchens to cook for them. The manicure lady is still working - the one I usually visit when I’m at home, she’s recording messages saying ‘Ladies, I know that it’s been a hard night, but please let me know, we’re still working, do you still come in?’. Shops are working, sometimes there are shortage on certain products, and we can’t buy a lot of them. Overall there is everything that we need. But, again, is it the same that it used to? No, cause everybody is constantly worried.


LEAVE LVIV? Not at the moment… When all of this started, I begged them to leave. I said to my mom: I’ll rent you a flat somewhere in the mountains in Poland, for like a few months… My mom probably wanted, my dad definitely isn’t living. And it’s the case for a lot of male in Ukraine. A lot of my friends have the same problem, they have to argue with the father… Mine even refused to go a few days to the mountains in Ukraine – ‘Don’t be ridiculous, don’t be neurotic, we are far away from all the action’ he said. Yeah, but rockets are flying… He’s very stubborn. At least I got a promise out of him that he would get out if things would become worst there.


THE CITY OF LVIV… Some people call it the cultural capital of Ukraine… It is old buildings, cobbled streets, very chilled vibe, very different of other cities in the Ukraine, it is the most western city, it is all about going out with friends, sitting on the terrace, in the cafés… Drinking coffee it’s like a tradition, a ceremony… in Lviv going for a coffee it’s for full on, not a quick coffee, gossiping 3 hours with your friends that will probably end up with a meal. It’s all about going out for theatres and different fun places. It has became very touristic during last 10 years I would say, but also Lviv is very nationalistic. I do understand and I know it’s quite different from the rest of Ukraine. People in the east and in Crimea been brainwashed to hate us. On all zones where Russian propaganda exists, they portray us a heaven for all of the new Nazis and all of these stuff that they come up with, that we eat Russian babies, and that you’re gonna get shot just because you speak Russian in my city… and all of the rubbish they come up with.


In fact we are very nationalistic, a Ukranian proud in Lviv. The more you go to the east, in Kyiv, there could have been a lot of people speaking Russian even though they’re form Ukranian families. In Kyiv it’s like more prestigious to speak Russian but that you don’t get in Lviv. I’m confident enough that this is who I am and if you’re not comfortable by me talking ukranian doesn’t matter, but a lot of people didn´t like it, especially those who had more Russian or still soviet mentalities, they didn’t understand us. Unfortunately, after so many people getting killed during the war 2014 and now, people are starting to understand our attitudes towards the whole Russian propaganda. For example, there were people seating on the tube(in London), on Sunday, and they were speaking Russian, but I could hear that they were rudely listening Youtube videos about Zelensky and I really didn’t like it, but I was thinking to myself: are they ucranians or are they russians? Because I do believe that speaking the language really represents who you are.


So now it’s more united and I’m happy for that, but it’s very tragic what kind of price we have to pay for this. And some people are too nasty… from Donetsk they still don’t get it. They still say that because they’re brainwashed about people from my city, they still believe that it’s our fault that they are getting bombed and they spread that information. Some of them are now refugees, and they are sleeping in our city, for a day or two … so some people said that they have written on their sheets ‘We Hate You’ and then they would use the word ‘Bandera’.

(Stepan) Bandera was a ukranian man and he was quite an eccentric person. He has not been liked by many back in the II World War. He was from Lviv and he was trying to organize a Nationalistic Ukrainian Republic and he was against Nazis and against the Soviet Army. This is what Russia’s machine has been feeding: all of the post-soviet countries, all hate us, nobody knows who that man was.


Lviv is quite deeply nationalistic, sometimes there are always quite radical people, but yeah they can say things but they never going hit anybody, they are never radical in a bad way. You can hear when people speak from Lviv, we behave differently. I probably sound horrible, but people from the eastern part of Ukraine they are ruder, and they can be really loud in the cities… Kyiv is ok, but closer to Russia it gets worse. We notice that because we don’t behave that way.


WAS THIS WAR EXPECTED? Some people probably have, the majority hoping that it would not happen and I really doubt that there were any people who were confident that Russia would never do this. This is who russian’s are… it’s people who started to dass my great grandmother, who sent to Siberia and all my mom’s family because they were of rage background and they could sponsor anti-russian movements. They were not allowed to come back for 40 years. My mom’s here only because my grandmother was a rebellion and she married a poor man and she went to live in his household and all the rest of her family were deported and killed, We never asked for soviet union… they came and they take everything from people and they were keen on everything ukranian… ukranian poets, and all of the intelligent people, all of the aristocracy… they were all killed, murdered, banned from write about Ukraine, our historians, professors… anything prohibited for so many years. So no wonder we have such a strong country…


People have been brainwashed for such a long time to not like Ukraine and this has been going on for centuries. I really feel Russia is very unhappy and unsatisfied, with a big inferiority complex which constantly bugs everybody else. And what they don’t understand is that we are a very ancient nation, and we are just ok the way we are. We are living our land, we don’t go anywhere, we don’t ask for anything, we don’t fight, we just get on, we grow up our vegetables, our cultural nation and we are happy. But they keep on coming and destroying everything that we have… for centuries. People within the UK have been amazing, I didn’t expect they would be this involved and helping so much. I don’t know why, but all over the world response have been amazing because doing all of this they are putting mental pressure on governments to help Ukraine as well.


BIGGEST FEAR? for something to happen to my parents, 100% this is all that I fear about.


WHAT COULD END THIS WAR? As quickly as possible… the death of Putin, if he would get assassinated by his own people. Is it possible? Well I don’t know… There must have been a reason for him to build his massive bunker so far away from Moscow. He didn’t build it outside, he built it really far away in the mountains, which is very strange. And apparently not many people get access to him, he’s really distance himself from everyone. So the quick answer is if he gonna get killed tomorrow would be the best thing."

 

DANIELA

“Os meus pais estão em Lviv, Ucrânia. Foi lá que nasci e é onde os meus pais, tio e primos vivem. Tenho alguns parentes distantes noutras cidades no centro da Ucrânia. Não tenho (graças a Deus) nenhum parente nas áreas ocupadas pelos russos.


Saí da Ucrânia em 2006, mas pelo meio, quando a guerra de 2014 aconteceu, e durante 2 anos, voltei para a Ucrânia. Eu estava lá quando a guerra aconteceu e lembro-me das sirenes a serem testadas. Estava a trabalhar num banco. Testemunhei a anexação da Crimeia em 2014/15 e depois voltei para o Reino Unido.


O meu tio fugiu da Crimeia em 2014. Saiu apenas com o passaporte, o portátil e um par de calças. Ele vivia com a namorada, que se foi tornando cada vez mais desagradável com ele, apenas porque não falava russo e acabou por ficar com o apartamento dele. O facto de ele ser de Lviv complicava-lhe a vida, porque a Crimeia é muito anti-Lviv, era muito perigoso para ele se alguém descobrisse que ele era natural de lá.


A VIDA ANTES DA GUERRA? Na prática, eu já estava a sofrer de uma grande ansiedade um mês antes da guerra, devido a variadíssimas coisas. Já sofria de ansiedade e esgotamento devido às circunstâncias do meu trabalho e da minha vida, e por isso não estava nos meus melhores dias. Portanto, não estava numa posição propriamente estável para que me pudesse recompor. Estou um pouco melhor agora, mas perdi 5 Kg. Nas primeiras semanas, tive tanto stress que pensei que estava a ter um derrame, com a pressão arterial alta… A certa altura, não conseguia ver bem com o meu olho direito (acho que foi por causa da pressão... até a minha perna direita deixei de conseguir sentir e acho que foi tudo por conta do stress). Fiz os possíveis por me acalmar porque senti que a minha saúde mental estava realmente a afetar a minha saúde física e fiquei com medo. Neste momento, ainda estou muito stressada, mal durmo desde o dia 24 de fevereiro. Não durmo tranquila, é mais um ‘apagar’ (porque estou tão cansada) e 20 minutos depois volto a acordar com um ataque de pânico, sempre a verificar o meu telemóvel. Eu sei que muitas pessoas me dizem para não fazer isso a toda a hora... mas é difícil evitar, porque sei que os meus pais podem estar em perigo, e ter os meus pais em perigo é a coisa mais assustadora do mundo.


Eu falo com eles todos os dias, várias vezes ao dia, e fiz com que a minha mãe me mandasse uma mensagem mal acorda, só para dizer que estão bem.


Todos nós lemos notícias ucranianas, elas não são mais verdadeiras, mas muito mais detalhadas e rápidas. As notícias ocidentais estão, por vezes, um pouco atrasadas. Conheço todos os grupos e canais de Facebook que me indicam quando as sirenes dos ataques aéreos estão ligadas e desligadas, e coisas assim. Tenho que abrir constantemente as notícias e atualizar os sites o tempo todo.


A VIDA MUDOU EM LVIV? Mesmo estando longe da linha da frente, temos muitos refugiados na minha cidade (não sei exatamente quantos, cerca de 200 mil) e eles estão por toda parte, então obviamente que há muitas pessoas extra na cidade. Além disso, a minha mãe é professora e trabalha na escola onde eu costumava estudar e todos os professores têm uma espécie de mapa de turnos, porque temos refugiados na escola (e as crianças voltaram a ter aulas à distância nas 3 últimas semanas). Há crianças agora a viverem nas escolas – porque todas as nossas escolas da cidade estão a receber refugiados. A minha mãe tem que trabalhar também como voluntária, todos os professores o fazem, e ficam responsáveis pela escola meio-dia (certificando-se de que tudo funciona bem, ajudando com contactos e aulas online). A alimentação também é fornecida por voluntários, pelos pais da escola e por quem tem empresas que possam fornecer alimentos. A cantina também funciona para o mesmo fim. É assim agora a vida da minha mãe, um pouco diferente…


O meu tio que fugiu da Crimeia, mora agora no apartamento onde vivia a minha avó, e como em tempos ele próprio foi um refugiado, sente toda aquela dor… Resolveu, por isso, ir até uma escola ou faculdade perto e convidou pessoas que lá se encontravam: ‘posso dividir o meu apartamento com vocês'. Acabou por convidar um casal nos seus 40’s e um senhor de 70 anos acompanhado por um cão-salsicha.


A vida é obviamente diferente, porque o governo pediu para voltarem ao trabalho, porque o mais importante é manter o país a funcionar, não podemos parar, precisamos de ter empregos, precisamos de pagar os nossos impostos, a economia do país precisa de seguir em frente para não entrar em colapso. Mas não é fácil... Certas noites está tudo bem, mas às vezes há as sirenes... e não temos abrigo (nem toda a gente tem abrigo). Então dorme-se no apartamento, esperando pelo melhor. E as pessoas dormem umas 2 horas por noite, 3 horas... Depois têm que ir trabalhar.


Eu costumava trabalhar no banco em Lviv e falei recentemente com a minha ex-colega – ela contou que trabalham meio tempo e estão bastante ocupados, porque todas as pessoas foram realocadas, saíram muito rapidamente, muitas delas não têm cartões, então eles têm que abrir contas bancárias ou obter cartões extra, há muito trabalho administrativo. Muitas filas no banco...


Muitos cafés também estão a funcionar e a ajudar os refugiados – alguns cederam as suas cozinhas para fazerem comida para eles. A manicure continua a trabalhar - aquela onde costumo ir quando lá estou, tenho-a visto nas redes sociais a enviar mensagens dizendo 'Eu sei que foi uma noite difícil, mas por favor avisem-me se não vierem, ainda estamos trabalhar'. As lojas estão a funcionar, às vezes há escassez de certos produtos e não podemos comprar muita quantidade. No geral, há tudo o que precisamos. Mas, é o mesmo que era antes? Não, porque toda a gente está constantemente preocupada.


DEIXAR LVIV? Não no momento... Quando tudo isto começou, implorei aos meus pais para se irem embora. Disse à minha mãe: vou alugar um apartamento para vocês em qualquer sítio nas montanhas da Polónia, por uns meses... A minha mãe provavelmente queria, o meu pai definitivamente não. E este é o caso de muitos homens na Ucrânia. Muitos dos meus amigos têm o mesmo problema, têm de discutir com o pai… O meu pai até recusou ir uns dias para as montanhas na Ucrânia – 'Não sejas ridícula, não sejas neurótica, estamos longe da linha de batalha’, disse ele. Sim, mas os mísseis voam… Ele é muito teimoso. Pelo menos, consegui uma promessa por parte dele, a de que ele sairia se as coisas piorassem lá.


A CIDADE DE LVIV… Algumas pessoas chamam-na de capital cultural da Ucrânia… É uma cidade de prédios antigos, ruas de paralelepípedos, uma vibe cool, muito diferente de outras cidades da Ucrânia. É a cidade mais ocidental, onde se sai com amigos, se senta numa esplanada, nos cafés… Beber café é quase que uma tradição, uma cerimónia… em Lviv ir tomar um café é para comer, não é um café rápido, ficam ali à conversa 3 horas com os amigos e, provavelmente, acaba numa refeição. É uma cidade onde se vai a teatros e variadíssimos lugares divertidos. Tornou-se muito turística nos últimos 10 anos, diria eu, mas Lviv também é muito nacionalista. Eu entendo e sei que é bem diferente do resto da Ucrânia. As pessoas no leste e na Crimeia sofreram uma lavagem cerebral para nos odiar. Em todas as zonas onde existe propaganda russa, eles retratam-nos como um paraíso para todos os novos nazis e todas essas coisas que eles inventam… que na minha cidade comemos bebés russos e que damos um tiro só porque alguém fala russo... é todo um lixo o que eles inventam.


Na verdade, somos muito nacionalistas, ucranianos orgulhosos de Lviv. Quanto mais vamos para o leste, em Kiev, mais pessoas existem a falar russo, embora sejam de famílias ucranianas. Em Kiev é mais prestigioso falar-se russo, mas em Lviv não. Estou confiante o suficiente de quem sou e se alguém não se sente confortável comigo porque falo ucraniano não importa, mas muita gente não gosta, especialmente aqueles que têm uma mentalidade mais russa ou ainda soviética, eles não nos entendem. Infelizmente, depois de tantas pessoas terem sido mortas durante a guerra de 2014 e agora, eu acho que começam a entender as nossas atitudes em relação a toda a propaganda russa. Por exemplo, no domingo, havia pessoas sentadas no metro (em Londres), e estavam a falar russo, mas eu podia ouvir que eles estavam a ver vídeos parvos do Youtube sobre Zelensky e não gostei disso, mas fiquei a pensar para mim: eles serão ucranianos ou russos? Porque eu acredito que falar a língua representa realmente quem nós somos.


Agora, sinto que estamos mais unidos e estou feliz por isso, mas é muito terrível o preço que temos que pagar para tal. E algumas pessoas são muito desagradáveis… em Donetsk elas ainda não entendem. Por terem sofrido uma lavagem cerebral sobre as pessoas da minha cidade, ainda acreditam que é nossa culpa o estarem a ser bombardeados e espalham essa informação. Alguns deles agora são refugiados, e estão a dormir na nossa cidade, por um ou dois dias... muitos deixam escrito 'We Hate You' (‘Nós Odiamos-vos’) e a palavra 'Bandera'.

(Stepan) Bandera era um homem que vivia na Ucrânia, durante a II Guerra Mundial e era uma pessoa bastante excêntrica, e não apreciado por muitos. Ele era de Lviv e estava a tentar organizar uma República Nacionalista Ucraniana e era contra os nazis e contra o exército soviético. Isso é o que a máquina da Rússia tem alimentado… todos os países pós-soviéticos, todos nos odeiam, ninguém sabe quem foi realmente esse homem.


Lviv é profundamente nacionalista, obviamente que há sempre aqueles bastante radicais, mas eles até podem dizer coisas, mas nunca vão bater em ninguém, nunca vão ser radicais de forma agressiva. Qualquer pessoa pode constatar, quando se fala das pessoas de Lviv, nós comportamo-nos de maneira diferente. Provavelmente isto vai soar mal, mas as pessoas da parte oriental da Ucrânia são mais rudes e podem ser muito barulhentas nas cidades… Kiev é tranquilo, mas mais perto da Rússia fica pior. Percebemos isso, porque não nos comportamos daquela maneira.


ESTA ERA UMA GUERRA ESPERADA? Algumas pessoas provavelmente esperavam, mas a maioria tinha esperança que não acontecesse. Na realidade, duvido que houvesse alguém que estivesse confiante o suficiente de que a Rússia nunca faria isto. Os russos são assim... são pessoas que começaram a maltratar a minha bisavó, que mandaram para a Sibéria, juntamente com toda a família da minha mãe, porque eles eram gente inconformada e podiam instigar a movimentos anti-russos. Eles não foram autorizados a voltar durante 40 anos. A minha mãe está aqui só porque a minha avó era uma rebelde e casou-se com um homem pobre, acabando por ir morar na casa dele. A restante família foi deportada e morta. Nós nunca pedimos a união soviética... eles vieram e levaram tudo das pessoas. Eles estavam interessados ​​em tudo o que era ucraniano... poetas ucranianos, e todas as pessoas inteligentes, toda a aristocracia... foram todos mortos, assassinados, proibidos de escrever sobre a Ucrânia, os nossos historiadores, professores... tudo foi proibido durante muitos e muitos anos. Portanto, não admira que tenhamos um país tão forte.


Durante muito tempo, as pessoas sofreram uma lavagem cerebral para não gostarem da Ucrânia e isso acontece há séculos. Eu sinto que, na realidade, a Rússia está muito infeliz e insatisfeita, com um grande complexo de inferioridade. E o que eles não entendem é que somos uma nação muito antiga e estamos bem da maneira como estamos. Vivemos na nossa terra, não vamos a lugar algum, não pedimos nada, não fazemos conflito, apenas seguimos, cultivamos os nossos vegetais, a nossa nação cultural e somos felizes. Mas eles continuam a vir e a destruir tudo o que temos… há séculos.


No Reino Unido, as pessoas têm sido incríveis, não esperava que estivessem tão envolvidas e a ajudar tanto. Não sei porquê, mas em todo o mundo a resposta tem sido incrível porque, ao fazerem tudo isso, estão, na verdade, a pressionar mentalmente os governos a ajudarem também a Ucrânia.


O MEU MAIOR MEDO? que algo aconteça aos meus pais, é tudo o que mais temo.


O QUE PODE PÔR FIM A ESTA GUERRA? O mais rapidamente possível...? a morte de Putin, se ele for assassinado pelo seu próprio povo. É possível? Bem, não sei… Deve haver uma razão para que ele tenha construído o seu enorme bunker tão longe de Moscovo. Ele não construiu apenas fora, ele construiu bem longe nas montanhas, o que é muito estranho. E, aparentemente, poucas pessoas têm acesso a ele, ele distancia-se de todos. Mas, a resposta mais rápida a essa questão é: se ele for morto amanhã, isso será a melhor coisa."


dnipro ukraine
Dnipro

YARA "My family is in central part of Ukraine, mainly in Dnipro. My in-laws are in Sumy, right next to russian border. Some of my relatives had to move to Lviv. LIFE BEFORE WAR? My normal life has stopped on 24th of February. I received messages from my family that russians were bombing Ukrainian cities. I couldn’t believe it. I lost my appetite completely. I don’t remember last time I smiled. It is impossible to live your life when you’re family is in a constant danger. We are talking every day to each other. Sometimes we do video calls, when there is a good internet connection. They can’t have a ‘normal’ life because there are days when they have to hide in a shelter for several hours. They can’t sleep at night properly too, as most of bombing is happening in a dark time. Still, they want to stay in their city and in Ukraine. THE CITY OF DNIPRO… I moved to London 10 years ago, last time I visited my family was in 2019 before Covid. My city is one of the biggest cities in Ukraine. It is divided by river Dnipro in two parts. There are many parks and squares, churches and beautiful buildings. Also Dnipro is one of the largest industrial cities in Ukraine. WAS THIS WAR EXPECTED? We are all normal people, no one in their right mind was ever expecting this. No one expected that by ‘saving’ russian-speaking people of so-called LDPR (Liberal Democratic Party of Russia), russian troops will be killing russian-speaking people of Kharkiv and Mariupol. Londoners have been showing a massive support towards Ukrainians. I was quite surprised to be honest. Everyone I know asked if they can help, how they can help. People donated clothing, money. People even decided to offer shelters for Ukrainians and to let them in in their homes. BIGGEST FEAR? My biggest fear is that I won’t see my family again. Russia attacks not only military targets, they attack civilians. They destroy houses, blocks of flats, churches, theatres. There is no logic in what they do, simply because they want to destroy Ukrainian nation as a whole. They think we are too different and it is true. Ukrainians are free people and we’ll fight for our freedom. WHAT COULD END THIS WAR? The death of Putin. He is obsessed with Ukraine. THE PRESIDENT? I voted for Zelensky in 2019 and I’m glad I did. He showed the strength the real leader has to have. Ukrainians are very lucky to have him as their president."

 

YARA

"A minha família encontra-se na parte central da Ucrânia, principalmente no Dnipro. Os meus sogros estão em Sumy, bem próximo à fronteira russa. Alguns dos meus parentes tiveram que se mudar para Lviv.


A VIDA ANTES DA GUERRA? A minha vida normal parou a 24 de fevereiro. Recebi mensagens da minha família de que os russos estavam a bombardear cidades ucranianas. Eu nem queria acreditar. Perdi completamente o apetite. Não me lembro da última vez que sorri. É impossível continuarmos a nossa vida quando a nossa família está em constante perigo.


Falamos todos os dias uns com os outros. Às vezes fazemos videochamadas, quando há uma boa ligação de Internet. Eles não podem ter uma vida ‘normal’ porque há dias em que precisam de se esconder num abrigo durante várias horas. Eles também não conseguem dormir à noite em condições, pois a maioria dos bombardeamentos acontecem de noite. Ainda assim, eles querem ficar na sua cidade e na Ucrânia.


Mudei-me para Londres há 10 anos, e a última vez que visitei a minha família foi em 2019, antes da pandemia.


A CIDADE DE DNIPRO…? A minha cidade é uma das maiores da Ucrânia. É dividida pelo rio Dnipro em duas partes. Há muitos parques e praças, igrejas e belos edifícios. Dnipro é também considerada uma das maiores cidades industriais da Ucrânia.


ESTA ERA UMA GUERRA ESPERADA? Somos todos pessoas normais, ninguém no seu perfeito juizo esperava isto. Ninguém esperava que, ao “salvar” as pessoas de língua russa do chamado LDPR (Partido Liberal Democrático da Rússia), as tropas russas estivessem a matar pessoas de língua russa de Kharkiv e Mariupol.


Os londrinos têm demonstrado um apoio maciço aos ucranianos. Fiquei bastante surpreendida para ser honesta. Todos que conheço perguntaram se podem ajudar, como podem ajudar. As pessoas doaram roupas, dinheiro e até decidiram oferecer abrigos para os ucranianos e deixá-los entrar nas suas casas.


O MEU MAIOR MEDO? O de não voltar a ver a minha família. A Rússia ataca não apenas alvos militares, mas também civis. Eles destroem casas, blocos de apartamentos, igrejas, teatros. Não há lógica no que eles fazem, simplesmente porque querem destruir a nação ucraniana como um todo. Eles pensam que somos muito diferentes e é verdade. Os ucranianos são pessoas livres e vamos lutar pela nossa liberdade.


O QUE PODE PÔR FIM A ESTA GUERRA? A morte de Putin. Ele é obcecado pela Ucrânia.


O PRESIDENTE... Votei em Zelensky em 2019 e estou feliz por isso. Mostrou a força que um verdadeiro líder tem que ter. Os ucranianos têm muita sorte em tê-lo como presidente."


brasov
Brasov, Romania

MARA OPRISIU, 41

I remember the yugoslavia war, but then it was forgoten so soon. I never expected this, even until recently, when people were saying Putin was attacking, I didn't believed it.


I am working for a platform that intermediates ONGs and volunteers. The recieving center for refugees is the biggest project uploaded on the platform so far. Each time in one day it gets minimum 250 volunteer subscribed. It has come to a need of 500 volunteers (in 4 hour shifts/24/7).


WHEN THE FIRST REFUGEES ARRIVED? It was unreal and still is. Is like living in a movie and you can't get the fact it is real. Women, children, dogs, teenagers sharing the space, everyone waiting... Honestly don't know how many, but they come in groups of 30, 25, 50... and they keep coming.


On the first night, when we prepared also a hall with mattresees, they were lined up, sheets on, all the same waiting for the refugees, the image was pretty sumber.


The people of Romania are supporting the ukranians. They acted faster than the authoroties, we have plenty of history, many of us being heirs of refugees from other parts (during wars or genocides).


If i would compare Putin to somebody would be Stalin (whom destroyed tens of millions of lives).


Im not aware just yet of what I will take from this experiene. All i know is that I'm trying to be as chill as possible.


HOW CAN WE HELP? Being open and understand that the ethnicity or country's history has nothing to do with the person you interact.

 

MARA OPRISIU, 41

Lembro-me da guerra da Jugoslávia, mas que logo foi esquecida. Eu nunca esperei que isto acontecesse, até há pouco tempo, quando as pessoas diziam que Putin estava a atacar, eu não acreditava.


Neste momento, estou a trabalhar para uma plataforma que intermedeia ONG's e voluntários. O centro de acolhimento de refugiados é o maior projeto existente na plataforma até agora. De cada vez, num dia, recebe no mínimo 250 inscrições de voluntários. Chegou a necessitar de 500 voluntários (em turnos de 4 horas/24/7).


QUANDO CHEGARAM OS PRIMEIROS REFUGIADOS? Parecia irreal e ainda parece. É como viver num filme e não conseguir entender que é mesmo real. Mulheres, crianças, adolescentes, cães... a dividirem o mesmo espaço, todos à espera... Sinceramente não sei quantos, mas chegam em grupos de 30, 25, 50... e não param de chegar.


Na primeira noite, quando preparamos também um salão com colchões, todos alinhados, com os lençóis postos, esperando pelos refugiados, a imagem era bem sombria.


O povo da Roménia está a apoiar os ucranianos. As pessoas agiram mais rápido do que as autoridades, temos muita história, muitos de nós somos descendentes de refugiados de outros tempos (durante guerras ou genocídios).


Se eu comparasse Putin a alguém seria a Stalin (que destruiu dezenas de milhões de vidas).


Eu não estou ainda ciente do que vou retirar desta experiência. Tudo o que sei é que estou a tentar ser o mais tranquila possível


COMO PODEMOS AJUDAR? Estando abertos e entendendo que a etnia ou a história do país não tem nada a ver com a pessoa com quem interagimos.



ANA MOLDOVAN, 18

I have never expected such a move by the armed forces in Europe, especially in this century, and the fact that it could lead to the next World War is frightening to me.


I help refugees as much as I can, I donate food and hygiene products because that's what I need most, and I volunteered at a refugee reception center in Ukraine to help them directly. I've been in this refugee camp since the war started, and so far I've taken a few days off from teaching, but otherwise I'm going there as long as I can.


On the first day when the refugees came, I realized what was really going on, it was a strange energy in the center, sad, but I could see people rejoicing that they had reached a place to sleep and eat where it was quiet. A shock but at the same time a relief to see that they arrived well. There were enough mothers with small children up to 8 years old, but about 200 Ukrainians, but I do not know the exact number that come and go. Not many stay there permanently.


I didn't have stories with certain people, but I was marked by two older ladies, one of whom came with her foot in plaster and the other with blood on her and she looked pretty fresh.


The majority of Romanians are open to help. All the people I know have seriously helped with donations as much money as products and food and clothes .


PUTIN THE NEW HITLER? Many people compare these two personalities and I find it a little wrong. Putin wants to rebuild his USSR, Hitler was anti-Semitic and hated a nation, it does not seem to me that history repeats itself accurately but they are similar events.


This experience did not change me much, but what I emphasized was the need to raise money and keep it in order to have it for the "dark days" that can come at any time.


HOW CAN WE HELP? We can help with donations, provide shelter for refugees, and think positively that all will be well.

 

ANA MOLDOVAN, 18

Eu nunca esperei um movimento assim das forças armadas na Europa, especialmente neste século, e o facto de poder levar à próxima Guerra Mundial assusta-me.


Eu estou a ajudar os refugiados o máximo que posso, doo alimentos e produtos de higiene porque é dessas coisas que mais necessito, e voluntariei-me num centro de acolhimento de refugiados na Ucrânia para ajudá-los diretamente. Estou no campo de refugiados desde o início da guerra, e até agora tirei alguns dias de folga dos estudos, mas fora isso vou lá enquanto puder.


No primeiro dia em que os refugiados chegaram, percebi o que realmente estava a acontecer, era uma energia estranha no centro, triste, mas pude ver as pessoas a alegrarem-se por terem chegado a um lugar onde podiam dormir e comer, onde estar tranquilamente. Foi um choque, mas ao mesmo tempo um alívio ao ver que chegavam bem.


Havia bastantes mães com filhos pequenos de até 8 anos, mas dos cerca de 200 ucranianos (não sei o número exato) que vêm e vão, são poucos os que ficam lá permanentemente.


Não tive histórias específicas que me marcassem, mas talvez duas senhoras mais velhas, uma das quais veio com o pé engessado e a outra com sangue.


A maioria dos romenos estão abertos a ajudar. Todas as pessoas que conheço ajudaram bastante com doações, tanto em dinheiro, como com produtos, alimentos e roupas.


PUTIN, O NOVO HITLER? Muitas pessoas comparam essas duas personalidades e eu acho um pouco errado. Putin quer reconstruir a sua URSS, Hitler era anti-semita e odiava uma nação, não me parece que a história se repita com precisão, mas são eventos semelhantes.


Esta experiência ainda não me mudou por aí além, mas guardo para mim a necessidade de arrecadar dinheiro e protegê-lo para tê-lo para os "dias sombrios" que podem vir a qualquer momento.


COMO PODEMOS AJUDAR? Através de doações, fornecendo abrigo a refugiados e pensando positivo, que tudo ficará bem.



DAVID IONUT-CRISTIN

I am a 6 year medical student and project manager of volunteer platform voluntarbv.ro. I’m the main coordinator of volunteers from the refugee center, on both nationalities, over 400 volunteers per week, Romanians and Ukrainians. I do volunteering from and early age, so I can say my experience helped me find solutions to manage volunteers in order to make the refugees feel like here is their 2nd home and they forget about their problems.


WAS THIS WAR EXPECTED? Actually, this war was predicted like 6-7 years ago, so it was inevitable.


THE DAY THE FIRST REFUGEES ARRIVED? I kinda made a tiktok about how I felt that day: https://vm.tiktok.com/ZMLHrNX9p/

Mainly they are women and children. Over 1500 ukrainean refugees. I didn’t have time to talk with them, but I imagine everyone from this refugee center have a story, about how they left everthing, just to save their life.

People from Romania are very carring, they come every day with donations in money or products.

PUTIN, THE NEW HITLER? I really don’t wanna talk about this subject, cause social media is very manipulative and they can change the real facts of this war. Everything has a reason, maybe it is political, economical and so on.


HOW CAN WE HELP? The only way, you guys can help, is to make donations in money, so we can buy daily expenses to support this refugee center.

 

DAVID IONUT-CRISTIN

Sou estudante de medicina há 6 anos e gestor de projetos da plataforma de voluntários voluntarbv.ro. Sou o principal coordenador de voluntários do centro de refugiados, em ambas as nacionalidades, mais de 400 voluntários por semana, romenos e ucranianos. Faço voluntariado desde cedo, posso por isso dizer que minha experiência me ajudou a encontrar soluções para gerir voluntários, a fim de fazer com que os refugiados se sintam aqui como numa segunda casa e se esqueçam dos seus problemas.


ESTA GUERRA ERA ESPERADA? Na verdade, esta guerra já era previsível há 6-7 anos, era inevitável.


O DIA EM QUE OS PRIMEIROS REFUGIADOS CHEGARAM? Eu fiz um tiktok sobre como me senti naquele dia: https://vm.tiktok.com/ZMLHrNX9p/


São, principalmente, mulheres e crianças. Mais de 1500 refugiados ucranianos. Não tive tempo de conversar com eles, mas imagino que todos os que se encontram neste centro tenham uma história sobre como deixaram tudo para salvar a própria vida.


As pessoas da Roménia têm sido muito solidárias, vêm todos os dias com doações em dinheiro ou produtos.


PUTIN, O NOVO HITLER? Eu nem quero muito falar sobre esse assunto, porque as redes sociais são muito manipuladoras e podem reinterpretar os factos reais desta guerra. Tudo tem uma razão, talvez seja política, económica e assim por diante.


COMO PODEMOS AJUDAR? A única maneira de vocês ajudarem é através de doações em dinheiro, para que possamos pagar as despesas diárias e apoiar este centro de refugiados.

You Might Also Like: